Piper Seneca: O líder de vendas!

Piper Seneca: O líder de vendas!

Com mais de cinco mil unidades comercializadas em diversos países, a aeronave Piper Seneca representa o bimotor mais vendido do mundo em sua categoria.

Despojado, leve e versátil, este avião possui uma inovação do ponto de vista mecânico que garante mais segurança e eleva o seu desempenho.

Ele apresenta motores contra rotativos, ou seja, que giram em sentidos opostos, eliminando as limitações impostas pelo “motor crítico”.

Esta característica confere ao Seneca a capacidade de voar como monomotor em caso de desligamento ou falhas em seu funcionamento. Além disso, opera em condições adversas como mal tempo, pistas curtas e de terra.

Outro fator que corrobora para a sua alta aceitação no mercado de aeronaves domésticas está a pluralidade.

Ideal para rotas intermunicipais e interestaduais, esta aeronave atende a distintos usos como voos executivos, escolas de aviação, transporte de malotes, dentre outros.

Possui capacidade para transportar, com conforto, até seis pessoas, considerando o piloto e cinco passageiros.

Desenvolvido pela Norte Americana Piper Aircraft (atual New Piper Aircraft), a primeira versão, o Piper Seneca I nasceu no ano de 1971 e entrou no mercado como modelo 1972.

A aeronave estava predestinada a cumprir a missão da empresa, fruto do sonho de William T. Piper, dono da marca. Conhecido como o Henry Ford da Aviação, Piper almejava que todos pudessem voar!

Neste sentido, buscou produzir aviões de baixo custo e fáceis de operar. A popularidade alcançada pelo Seneca estimulou seu sucessivo aprimoramento, recebendo as versões II, III, IV e a atual V. Com as denominações EMB-810 – C e EMB-810-D, os modelos Seneca II e III chegaram a ser produzidos no Brasil pela Embraer e, posteriormente, pela Indústria Aeronáutica Neiva, sua licenciada.

Os aviões traziam o mesmo projeto básico e foram fabricados em solo verde-amarelo até a década de 1990.

Há 46 anos na vanguarda

A primeira versão desta aeronave PA – 34 – 200 Seneca I nasceu do monomotor Piper Cherokee Six, que curiosamente teve seus motores montados na asa e voou como uma aeronave de três motores na fase de testes. O Seneca I foi o responsável por abrir o mercado de bimotores da Piper.

Produzido entre 1972 e 1974, era alimentado por dois motores Lycoming IO-360-C1E6 – 200 hp, com operações contra rotativas. Possuía peso de decolagem de 1.814 kg, velocidade de cruzeiro de 135 kt/ 2050 km/H e consumo de 80 I/H.

Para avançar quanto a performance, a Piper rapidamente ofertou ao mercado o Seneca II – PA – 34 – 200 T – que trazia motores Continental TSIO – 360 E ou TSIO – 360EB – 220 hp, turbo-alimentados, aumentando a velocidade de cruzeiro para 150 kt / 275 km/H e oportunizando voos em altitudes muito maiores que as alcançadas pela primeira versão da aeronave.

Com peso máximo de decolagem de 2.073 kg e consumo de 100 I/H, trouxe também um significativo upgrade aerodinâmico, deixando o avião mais controlável. O Seneca II ficou no mercado de 1974 a 1981.

A partir de 1981 até o ano de 1993, a Piper passou a produzir o Seneca III – PA – 34-220 T que vinha com uma nova hélice de três pás.

Apesar de utilizar o mesmo motor da versão anterior, o Continental TSIO-360, apresentou melhorias que permitiam o uso de 220 hp e rotação máxima de 2.800 rpm, aprimorando as características de subida e a velocidade de cruzeiro, que passou para 160 kt / 295 km/H.

O peso máximo de decolagem era de 2.073 kg, e o consumo de 110 I/H.

O Seneca IV – PA – 34 – 220T ficou no mercado entre 1994 e 1996. No Brasil, esta versão é raramente encontrada para compra, pois sua produção coincidiu com o fim da parceria entre a Embraer e a Piper, o que, na época, aumentou drasticamente o preço da aeronave para o consumidor brasileiro.

A versão IV significou a variação mais sutil do projeto, trazendo algumas melhorias aerodinâmicas e de fuselagem, como o novo formato do capô. A motorização foi mantida, apresentando a mesma velocidade de cruzeiro, mesmo peso de decolagem e mesmo consumo da versão III.

O último modelo, Seneca V –  PA-34-220T vem sendo produzido desde 1996, nos Estados Unidos e é resultado de diversas melhorias aerodinâmicas responsáveis por conferir a ele mais estilo e sofisticação. As carenagens de motor, tomadas de ar e nariz são mais harmoniosos e melhoram a ventilação de todos os componentes do motor.

Mas, o grande avanço desta versão está relacionado ao conjunto de instrumentos como o Garmim G1000 e a válvula wastegatpre, elaborada para manter o motor dentro dos limites de economia e eficiência previstos pelo fabricante.

Quanto aos itens de conforto, possui uma geladeira opcional, oxigênio suplementar em voos de altitudes elevadas e ar-condicionado. O peso de decolagem é de 2.073 kg, a velocidade de cruzeiro aumentou para 165 kt/ 305 km/H e o consumo foi mantido em 110 i/H. O modelo 2018 pode ser encontrado no Brasil por 1.420.000 dólares.

Se interessou por esta aeronave?

Ela é uma opção muito atraente e pode ser encontrada em bom estado também nas versões mais antigas. A Chamone Aviação Executiva oferece o serviço de inspeção pré-compra , manutenção e venda deste avião, garantindo a alta qualidade por meio de critérios técnicos estabelecidos pelo fabricante.

 

ENTRE EM CONTATO CONOSCO
SOLICITE SUA COTAÇÃO

Fale com a Chamone Aviação

Você deseja receber o contato de um especialista?

Quer tirar dúvidas sobre o nosso atendimento, conhecer melhor nosso corpo técnico ou saber mais sobre uma aeronave? Temos um especialista a disposição.